As Aves da Noite, drama de Hilda Hilst, ganha palco virtual com direção de Hugo Coelho

As Aves da Noite, drama de Hilda Hilst, ganha palco virtual com direção de Hugo Coelho

A encenação, que se passa em Auschwitz, traz os atores Marco Antônio Pâmio,

Marat Descartes, Regina Maria Remencius, Rafael Losso, Davi Tápias,

Marcos Suchara  e Davi Tostes, além de participação especial de Genézio de Barros.

Descrição: cid:image002.jpg@01D7A88D.FB98A8E0
Descrição: cid:image003.jpg@01D7A88D.FB98A8E0

Com direção de Hugo Coelho, o espetáculo As Aves da Noite, drama teatral escrito por Hilda Hilst, há 52 anos, tem estreia online pelo canal Curadoria Hilst no YouTube, nos dias 5, 6 e 7 de outubro (de terça a quinta, às 20h). Após sessões dos dois primeiros dias, o diretor e elenco participam de bate-papo com o público.Na sequência, a montagem segue em circulação pelos canais virtuais do Teatro Cacilda BeckerTeatro João CaetanoTeatro Paulo Eiró e Teatro Arthur Azevedo, sempre com acesso gratuito.

O enredo de As Aves da Noite parte da história real do padre franciscano Maximilian Kolbe que, em um campo de concentração nazista de Auschwitz, apresentou-se voluntariamente para ocupar o lugar de um judeu sorteado para morrer no chamado “porão da fome” em represália à fuga de um prisioneiro. Segundo o diretor Hugo Coelho, “esta é uma versão contemporânea do texto de Hilda. Não é uma peça sobre Auschwitz, partimos de Auschwitz, pois nosso lugar de fala não é o da reconstituição”.

No porão da fome, a autora coloca em conflito os prisioneiros condenados a morrer na cela: o Padre, o Carcereiro, o Poeta, o Estudante e o Joalheiro, que são visitados pelo Oficial da SS, pela Mulher que limpa os fornos e por Hans, o ajudante da SS. Na montagem, eles aparecem isolados, confinados em gaiolas como um signo, uma alusão à prisão onde a história se passa, mas também à nossa impossibilidade de contato físico, nesse momento de pandemia. “A primeira coisa que os governos totalitários fazem ao prender alguém é destituí-lo da dignidade humana e submetê-lo ao sofrimento extremado, e isso os nazistas fizeram com requintes inimagináveis de crueldade”, comenta o diretor.  Segundo ele, a proposta de concepção de Hilda Hilst é muito clara, colocando as personagens em estado de reflexão sobre suas próprias condições no confinamento. A leitura que a autora faz dos aspectos éticos e humanos passam por questionamentos sobre Deus, sobre o mal e sobre a crueldade.

Nos diálogos estão o embate entre a vida e o que lhes resta, os devaneios entre o desespero e o delírio. O Poeta declama como se morto estivesse, o Estudante sonha com outro tempo, o Joalheiro ainda lembra-se da magnitude das pedras, enquanto a Mulher é humilhada em sua condição inferior. O Carcereiro, mesmo sendo um condenado, ironiza a condição dos demais e os trata com escárnio; o SS os chama de porcos e os agride e menospreza, enquanto o estado de debilidade emerge da vida e da já não existência desses humanos subjugados.

A montagem de As Aves da Noite busca elucidar a humanidade e densidade contida no texto, mergulhando nas possibilidades inesgotáveis do drama para emergir na poética da tragédia. “O discurso racional não dá conta da realidade. A arte tem o papel de traduzir esse discurso como uma segunda realidade que passa pela razão, mas também pelo sensorial e pela emoção”, reflete Hugo Coelho.

Sobre o texto, Hilda Hilst falou: “Com As aves da noite, pretendi ouvir o que foi dito na cela da fome, em Auschwitz. Foi muito difícil. Se os meus personagens parecerem demasiadamente poéticos é porque acredito que só em situações extremas é que a poesia pode eclodir viva, em verdade. Só em situações extremas é que interrogamos esse grande obscuro que é Deus, com voracidade, desespero e poesia”.

O espetáculo foi idealizado pelo produtor Fábio Hilst para ser apresentado presencialmente, mas diante da pandemia da covid-19 precisou ser gravado em vídeo, 80 anos após a morte de Maximilian Kolbe, exatamente no momento em que o mundo vive uma experiência de confinamento. O diretor explica que para colocar a peça na tela, lançou mão da linguagem cinematográfica para trazer ao público a máxima aproximação possível do teatro. “A tela de vídeo não consegue reproduzir o fenômeno do teatro ao vivo, por isso um processo híbrido de criação nos ajuda a conjugar as linguagens. E temos a sorte de reunir um elenco de extrema grandeza; o talento desses atores é um pilar fortíssimo no resultado final do trabalho”.

O cenário, que traduz o cárcere com gaiolas humanas, foi concebido pelo diretor em conjunto David Schumaker. O figurino (de Rosângela Ribeiro) faz alusão aos uniformes de presidiários, reforçando a imagem do encarceramento. A iluminação (de Fran Barros) dá foco a cada personagem, reforça o clima denso e claustrofóbico do ambiente, ajudando na ideia de isolamento, inclusive contribuindo com a impossibilidade do contato físico durante a produção da peça. A trilha sonora (de Ricardo Severo) foi criada em sequências, a partir do material captado e da concepção das cenas. Severo, inclusive, musicou a letra de uma canção original do texto, que remete à tradição judaica, cantada pelas personagens.

Hugo Coelho afirma que o propósito do espetáculo é trazer à cena o discurso artístico poderoso e contundente de Hilda Hilst. “As Aves da Noite nos faz encarar toda a barbárie do poder, do domínio, do autoritarismo, das torturas nos porões das ditaduras. Auschwitz é uma ferida aberta na humanidade para a qual não há palavras que qualifique. Não podemos permitir que a violência e a barbárie sejam normatizadas ao longo da história. Por isso esta obra de extrema qualidade literária é tão importante para o momento em que vivemos”, finaliza o encenador.

Maximilian Kolbe morreu em Auschwitz, em 1941, e foi canonizado em 1982, pelo Papa João Paulo II. São Maximiliano é considerado padroeiro dos jornalistas e radialistas e protetor da liberdade de expressão.

FICHA TÉCNICA – Texto: Hilda Hilst (1968). Direção: Hugo Coelho. Elenco: Marco Antônio Pâmio (Pe. Maximilian), Marat Descartes (Carcereiro), Regina Maria Remencius (Mulher), Genézio de Barros (Joalheiro), Rafael Losso (Estudante), Davi Tápias (Poeta), Marcos Suchara (SS), Davi Tostes (Hans). Direção de produção: Fábio Hilst. Assistência de direção e de produção: Fernanda Lorenzoni. Cenografia: Hugo Coelho e David Schumaker. Figurino e objetos de cena: Rosângela Ribeiro. Desenho de luz: Fran Barros. Música original e desenho de som: Ricardo Severo. Visagismo: Jaqueline Ramirez. Estagiário (elenco): Thiago Piacentini. Cenotecnia: Wagner José de Almeida. Serralheria: José da Hora. Pintura de arte: Alessandra Siqueira. Assistência de cenotecnia: Matheus Tomé. Confecção de figurino: Vilma Hirata e Natalia Hirata. Fotografia e operação de câmera: Richard Soares. Assistência de câmera: Vinícius Câmara. Som direto: Equipe Produções. Montagem: Carla Leoni. Fotos/divulgação: Priscila Prade. Design gráfico: Letícia Andrade. Gerenciamento de mídias sociais: Tiago Vogel. Assessoria de imprensa: Eliane Verbena. Tradução em Libras: Karina Zonzini. Idealização e produção: Três no Tapa Produções Artísticas. Local de gravação: Teatro Arthur Azevedo (SP), em julho de 2021. Apoio cultural: CliniMol Diagnóstico Molecular, Engenho Espaço de Criação e Curadoria Hilst. Realização: Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, por meio do ProAC.

Serviço

Espetáculo: As Aves da Noite

Estreia: dias 5, 6 e 7 de outubro. Terça a quinta, às 20h

Onde: Curadoria Hilst

Exibição online: Youtube/CuradoriaHilst (não ficará disponível após horário agendado)

Grátis. Duração: 75 min. Gênero: Drama. Classificação: 16 anos.

Haverá bate-papo com o público após sessões dos dias 5 e 6/10.

Temporada online

Sexta e sábado, às 21 | Domingo, às 19h

Com tradução em Libras.

Dias 15, 16 e 17 de outubro

Teatro Cacilda Becker

Facebook/TeatroCacildaBeckerSP | YouTube/TeatroCacildaBecker

Dias 22, 23 e 24 de outubro

Teatro João Caetano

Facebook/teatropopularjoaocaetano | YouTube/TeatroJoãoCaetanoSãoPaulo

Dias 29, 30 e 31 de outubro

Teatro Paulo Eiró

Facebook/teatropauloeiro

Dias 5, 6 e 7 de novembro

Teatro Arthur Azevedo

Facebook/teatroarthurazevedosp | YouTube/TeatroArthurAzevedoSP

Perfis

Hilda Hilst (1930-2004, Jaú/SP) – Hilda Hilst foi ficcionista, cronista, dramaturga e poeta, considerada uma das maiores escritoras em língua portuguesa do século XX, com traduções em países como Itália, França, Portugal, Alemanha, Estados Unidos, Canadá e Argentina. Iniciou sua produção literária em São Paulo, com o livro de poemas Presságio (1950). Em 1965, mudou-se para Campinas e iniciou a construção de seu porto de criação literário, a Casa do Sol, espaço que a abrigou durante a realização de 80% de sua obra. Autora de linguagem inovadora, na qual atemporalidade, realidade e imaginação se fundem, a estreia de Hilda na dramaturgia foi em 1967 e, três anos depois, na ficção com Fluxo-floema. Em cerca de 50 anos, ela escreveu mais de 40 títulos, muitos com edições esgotadas, incluindo poesia, teatro e ficção, que lhe renderam prêmios literários importantes no Brasil. Em sua obra nos deparamos com a fragilidade humana que nos surpreende com personagens em profundos questionamentos na viagem de entender e descobrir o essencial. A partir dos anos 2000, a Globo Livros reeditou sua obra completa e, em 2016, os direitos de publicação foram para a Companhia das Letras. Mais recentemente, a L&PM Editores lançou em livro toda a sua dramaturgia. O acervo deixado pela escritora encontra-se na Sala de Memória Casa do Sol e no Centro de Documentação Cultural Alexandre Eulálio da Unicamp.

Hugo Coelho (diretor) – Formado em filosofia, Hugo é ator e diretor com mais de 45 anos de carreira. Em 2015, comemorou 40 anos de profissão com a direção de Morte Acidental de um Anarquista, de Dario Fó. No teatro, recentemente, dirigiu À Espera, de Sérgio Roveri; adaptou e dirigiu O Monstro, a partir do conto homônimo de Sérgio Sant’Anna, com Genézio de Barros; dirigiu (Selvagens) Homem de Olhos Tristes, de Händl Klaus; as comédias Me Segura Senão eu Pulo, de Luiz Carlos Cardoso, e Hoje Tem Mazzaropi, de Mário Viana; Retratos, de William Douglas Home; Os Jogadores, de Nikolai Gogol; a ópera Treemonisha, de Scott Joplin; O Contrabaixo, de Patrick Suskind; Meu Primo Walter, de Pedro Haidar; e Quem Casa quer Casa, de Martins Penna. Foi assistente de direção na montagem de Morte Acidental de um Anarquista, com direção de Antonio Abujamra e protagonizada por Antonio Fagundes. Na TV, dirigiu os programas Jornal do Estudante, Brasil Corpo e Alma e o Telecurso Segundo Grau na TV Globo; a novela Cortina de Vidro, de Walcyr Carrasco, no SBT; e o programa de entrevistas Terceiro Milênio, na Rede Mulher e na Rede Vida.

Assessoria de imprensa: VERBENA COMUNICAÇÃO

Eliane Verbena / João Pedro

Tel: (11) 2548-8409 / 99373-0181- verbena@verbena.com.br