Resenha Semanal

RELATIVA À SEMANA DE: 08/08/20 a 14/08/20


Renato Fogaça de Almeida – Advogado e Engenheiro Químico
Fonte: CidadaoAlerta

Embora já aprovado pelo Senado, o Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que vai engavetar (não colocar em votação) o projeto que limita a 30% anuais os juros cobrados pelas instituições financeiras sobre o uso do cartão de crédito. Convém lembrar que a SELIC que é a taxa de juros referência no País, estabelece o limite de 2% ao ano. Mas o deputado Maia acha que uma intervenção nesse sentido pode vir a fazer encarecer e limitar o crédito aos consumidores, prejudicando toda a cadeia de consumo.

Apesar da alta do volume de produção de automóveis em julho de 73% em relação a junho passado, o total acumulado de produção chegou a 900.000 veículos, volume 48,3% menor do que de igual período do ano anterior. Ou seja, o mercado está reagindo, as coisas estão melhorando, mas ainda num volume que não permite às montadoras de veículos manter os empregos. Com isso, mais 1.500 funcionários foram demitidos neste mês.

Mais um efeito perverso da pandemia; a síndrome de Burnout já está afetando 32% dos profissionais brasileiros da área da saúde, sejam médicos, enfermeiros ou demais profissionais que se encontram na linha de frente do combate à doença. Os sintomas são o cansaço extremo, sensação de incapacidade, dor abdominal e resistência a ter de ir trabalhar. Segundo a autora da pesquisa, Gabriela Correia de Netto, a probabilidade do aparecimento desta síndrome é maior nos grandes epicentros da doença como os Estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Estudo feito com 1257 profissionais de 34 hospitais de Wuhan na China, cidade que foi o epicentro da doença em seu começo, concluíram que o stress relacionado ao tratamento da pandemia provocou o relato de angústia em 71,5% dos profissionais da área médico/hospitalar, e ainda mais com os relatos de depressão atingindo 50,4% desses mesmos profissionais; ansiedade em 44,6% deles e insônia relatada por 34% dos entrevistados.

Outra curiosidade da pandemia. Por conta dela as sessões no Senado são agora virtuais e longe da Casa de Leis os Senadores parecem trabalhar mais. Sem manobras de obstrução, apartes e mesmo sem a hora do cafezinho, o quórum tem sido maior e houve aumento também no número de propostas analisadas, comparando-se com igual período do ano de 2016 (ultimo ano em que houve eleições municipais). Entre Medidas Provisórias, Projetos de Lei e Propostas de Emenda Constitucionais, neste ano foram analisados 155 textos contra 79 em 2016, quase o dobro. A presença também aumentou, já que hoje a média é de 76,5 Senadores por sessão contra a média de 71 Senadores em 2016.

Segundo o Instituto Millenium em 2019 foram gastos R$ 928 Bilhões para pagamento de servidores públicos das 3 órbitas, federal, estadual e municipal. Isso representa 13,7% do Produto Interno Bruto brasileiro. O funcionalismo público é composto por 9,77 milhões de servidores, ou seja, 21% dos 46 milhões de empregos formais do País. Esse funcionalismo integra o contingente dos 6% mais ricos do País já que se ganha, em média, no funcionalismo público 109,83% mais do que no funcionalismo privado na mesma função, ou seja, mais do que o dobro. Para acabar com essas discrepâncias é que é urgente que se adiante a promoção da reforma Administrativa.

Cientistas da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e da USP (Universidade de São Paulo) calculam que 17,9% dos moradores adultos da Capital, São Paulo, já foram expostos ao vírus e apresentam anticorpos. Isso significa 1,5 milhão de adultos, mesmo com a margem de erro que pode fazer o número real variar entre 15% e 20,9%. O que se busca é saber quando atingiremos a “imunidade de rebanho”, embora cientificamente não se saiba que é a porcentagem necessária para se atingir tal imunidade, que significaria um nível de segurança, já que as estimativas variam de 20% da população até 60% da mesma.

Outra notícia boa vem dos estudos da FECOMERCIO, a Federação do Comércio do Estado de São Paulo que previa inicialmente que a queda no varejo seria da ordem de 13,8% por conta da pandemia, mas que estavam enganados e as estimativas não se confirmaram. Com o pagamento dos R$ 600,00 à população carente, do auxílio do Governo, o comércio foi incentivado e a retração deve ficar em apenas 6,7%. Ainda que bem menor do que a esperada, a retração significará uma perda de R$ 141 bilhões em relação a igual período do ano passado.

Anunciada pelo Presidente Putin, da Rússia, a criação de uma vacina contra o COVID-19. Criada em tempo recorde, com menos de 2 meses de testes em humanos, o governo russo promete vacinação para imunização em massa de sua população. Questionado sobre a fase final do ensaio clínico que ainda não foi concluído, o Presidente russo garantiu que a vacina é segura e eficaz e que, inclusive, uma de suas filhas já tomou a vacina. A OMS, Organização Mundial da Saúde, declarou que precisa avaliar a pesquisa.

Quando a pandemia estava em seu auge na Europa, em abril, os Países da União Europeia fechados para o mundo, o Euro chegou a ser negociado abaixo de US$ 1,08. De lá pra cá a moeda europeia, assim como a própria Europa, vem reagindo de acordo com o aumento do sucesso dos Países da zona do Euro conseguirem conter a pandemia e reabrirem suas fronteiras, diferentemente dos EUA onde vários Estados têm, inclusive, apresentado uma segunda onda de contaminações, como a Flórida, Texas e Califórnia. Com isso o Euro vem se fortalecendo e os analistas acreditam que deverá chegar ao final do ano valendo US$ 1,20.

Homologada pela Justiça Federal os termos da delação premiada do doleiro Dario Messer. Messer, conhecido como o “doleiro dos doleiros”, pelos termos do acordo, ele terá de cumprir pena de 18 anos e 9 meses de prisão e ainda terá de devolver aos cofres públicos o valor de R$ 1 Bilhão. Estimativas dão conta de que ele estará devolvendo assim o equivalente a 99% do seu patrimônio. Isso significa que se comportar direitinho na prisão, depois de cumprir pouco mais de 3 anos da pena (1/6 do total da pena) ele sairá e poderá disfrutar, sem peso na consciência dos R$ 10.000.000,00 que vão lhe sobrar. Provavelmente a maior parte dos leitores não conseguirão amealhar esse valor durante o total de suas vidas.

O aumento de 73% nos pedidos de matrícula na rede pré-escolar pública de São Paulo indica claramente que esse é um dos primeiros itens que a classe média paulista está abrindo mão na situação da crise. Especialistas dizem, no entanto, que a miscigenação entre crianças de diferentes classes sociais só trará benefícios para todas as crianças, já que além das diferenças sociais, estarão se misturando diferenças culturais e étnicas, promovendo assim a inclusão. O único lado ruim é que os proprietários das escolas infantis é que deverão demorar muito mais para se recuperar dos efeitos danosos da pandemia.

Foi detectada pelas autoridades sanitárias da China traços de coronavírus numa embalagem de frango originada numa planta do Frigorífico Aurora em Santa Catarina. Embora o COVID-19 não seja transmitido por alimentos, necessitando de um hospedeiro vivo para se multiplicar, o fato causou certa apreensão no agronegócio brasileiro que é muito dependente do mercado chinês. Por outro lado, fontes do setor descartam embargo dos produtos brasileiros já que isso causaria desabastecimento na China, porém a possibilidade de uma barreira no futuro não é nula.

Em pronunciamento oficial para a imprensa, ladeado pelos Presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, respectivamente; fora o fato de também estar presente o Ministro da Economia, Paulo Guedes, o Presidente Bolsonaro declarou que está comprometido com a responsabilidade fiscal. Esse pronunciamento, com todo o simbolismo das pessoas presentes, foi bem recebido nos meios econômicos que estiveram bem agitados após a notícia da renúncia de dois dos principais colaboradores do Ministro Paulo Guedes.

RFA

——————
Renato Fogaça de Almeida – Engenheiro Químico e Advogado. Tradutor Técnico e integrante da ONG “Presença na América Latina”.
Fontes: Jornal “O Estado de São Paulo”;Rede CNN de Televisão; Portal UOL de Notícias e Rede Bandeirantes de TV e RedeTV de televisão.