Capela Imperial

A Capela Imperial foi construída para abrigar os despojos da família real. O revestimento do teto é em mármore amarelo e os demais em granito lapidado de Ubatuba, escuro e esverdeado. Nas paredes, ao fundo dos nichos, encontram-se esferas armilares, símbolo do período dos descobrimentos marítimos portugueses.

Os despojos da Imperatriz Leopoldina, que estavam no Convento de Santo Antonio no Rio de Janeiro, foram transladados em 1954, nas comemorações do IV Centenário da Cidade de São Paulo.

Sobre o tempo do sarcófago existe uma réplica da Coroa Imperial. Na parte frontal, estão colocados os brasões do Brasil Império e dos arqueduques e arqueduquesas da Áustria do século XIX. Em 1972, ano do sesquicentenário da Independência, os restos mortais de D. Pedro I que estava no panteão da Família Real portuguesa, convento de São Vicente de Fora em Lisboa, foram trazidos para o Ipiranga e sobre o tampo onde estavam os seus despojos havia, além da imagem da coroa imperial, uma reprodução da espada usada pelo imperador no dia 7 de setembro de 1822 e a representação simbólica da primeira constituição política do Brasil, outorgada em 1824.

E na parte frontal, os brasões do País no tempo do Império e da Casa de Bragança.

Em 1982, os restos mortais de Dona Amélia de Beaurhar Beaurharnais, duquesa de Leuchtemberg (segunda esposa do Imperador), também vieram de Lisboa para a Capela.

Você está aqui: Comércio e Serviços Museu Ipiranga Capela Imperial