Com medo da violência, população pede socorro ao Conseg Ipiranga

Assustados com a onda de violência no bairro, moradores do Ipiranga enchem o auditório da Associação Comercial - Distrito Ipiranga durante reunião do Conseg, realizada no último dia 29. A reunião foi aberta com o discurso do delegado recém-empossado da 17ª Delegacia de Polícia, Evandro Lemos, que esclareceu aos presentes sobre as irregularidades que marcaram a reunião de abril do Conseg Ipiranga, realizada na Vila Carioca, quando o então delegado Ricardo Stanev depôs toda a diretoria do Conseg sob o argumento de pessoas estarem bebendo no bar do Clube 11 Primos, antes da abertura da reunião. Leandro, que disse estar autorizado pelas autoridades a falar sobre o assunto, afirmou que “a reunião anterior estava crivada de irregularidades e não poderia ter tomado o rumo que tomou, tendo validade somente no que se refere às reivindicações da comunidade”, decisão que afirma ser ratificada pela coordenadoria dos Consegs. Além do latrocínio na rua Labatut amplamente divulgado pela mídia, moradores e síndicos de prédios da rua e das imediações vieram à reunião do Conseg para manifestar a preocupação com a falta de segurança, pois o caso noticiado, segundo eles, não é o único registro criminal ocorrido. Afirmam que roubos e furtos de carros têm sido quase uma rotina. A mesma situação enfrentam as ruas Lord Cockrane, próximo à Igreja Nossa Senhora Aparecida, e a General Lecor. Já na Costa Aguiar, em direção à Labatut pessoas denunciaram ação de uma mulher que usa uma faca no final das tardes para roubar pessoas. Sem contar os estabelecimentos comerciais que são arrombados e invadidos durante as noites. No caso do latrocínio, o delegado informou que a investigação está sendo conduzida pelo DHPP e que, para inibir o rumo local da violência, as Polícias Civil e Militar deram início a uma operação conjunta, com blitz parando pessoas, carros e motos em atitudes suspeitas. Segundo o comandante da 2ª Companhia do 46º BPM, capitão Douglas La Femina, a ação conjunta foi planejada para beneficiar o bairro. Embora todos almejem uma unidade da polícia na porta de suas casas, o capitão disse que “nem sempre a viatura estacionada é a melhor estratégia, pois a PM não quer só evitar o crime, mas também prender e para isso precisa circular pelo bairro”. Ele ainda salientou a importância de as pessoas colaborarem, no sentido de adotarem comportamentos que dificultem a ação de bandidos. Um exemplo de como o descuido ajuda o crime foi o caso de seis carros que nesta semana foram levados de um estacionamento na rua Agostinho Gomes. Segundo Douglas, a infração foi facilitada pelo fato de os carros ficarem estacionados com as chaves no contato. Com várias vias de acesso e atuando como um corredor que liga várias regiões da cidade, a segurança do Ipiranga se coloca como um desafio a ser enfrentado pelas autoridades competentes. Durante a reunião circulou um abaixo-assinado, promovido pela diretoria do Conseg Ipiranga, que reivindica junto ao governador do Estado a implantação de uma unidade do Popupatempo no Ipiranga. Também marcaram presença à reunião representantes da subprefeitura do Ipiranga, da Guarda Civil Metropolitana e do Conseg Parque Bristol. As reuniões estão previstas para acontecer sempre na última terça-feira do mês. A próxima acontece no dia 26 de junho, na rua Benjamin Jafet, 95. Cristina Feres Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
Você está aqui: Acontece Movimentos Com medo da violência, população pede socorro ao Conseg Ipiranga